/ eventos

A retomada dos eventos esportivos

Depois de um longo inverno, a retomada dos eventos esportivos é uma realidade cada vez mais próxima. Sabendo da responsabilidade perante o mercado esportivo e a fim de contribuir com este momento de retomada, o Fotop realizou uma pesquisa com 50 corredores e ciclistas de duas assessorias diferentes e convidou alguns parceiros e apoiadores para uma conversa sobre a retomada dos eventos esportivos e suas perspectivas.

Antes da pandemia do Covid-19, o mercado de esportes no Brasil representava cerca de 2% do PIB nacional e vinha em constante crescimento. De acordo com uma projeção no site Statista, o faturamento do segmento (a nível mundial) cresceria em torno de 5% ao ano até 2025. Podemos dizer que, para o setor de eventos, as perdas foram imensuráveis e as antigas projeções para o futuro foram afetadas.

O cenário do mercado esportivo em diferentes pontos de vista

A fim de entender e discutir as perdas para o mercado esportivo, o atual cenário para a retomada e as perspectivas futuras, convidamos três parceiros para um bate-papo: Marcos Pinheiro, vice-presidente da Associação Brasileira de Corridas de Rua e Esportes Outdoor – Abraceo, que atua no mercado esportivo há 18 anos, Daniel Krutman , CEO do Ticket Agora, empresa responsável pela venda de inscrições de eventos, e Ricardo Arap, presidente da Race Consultoria Esportiva, há mais de 27 anos no mercado e algumas centenas de alunos. E para completar, foi realizada uma pesquisa com corredores e ciclistas não só com o objetivo de trazer números, mas sim saber suas opiniões quanto a este processo.

Do choque à adaptação

Para Ricardo, da Race Consultoria Esportiva, a adaptação para um convívio totalmente virtual foi difícil, mas se estabeleceu: “Eu queria estar em campo, em contato com as pessoas, mas precisamos criar alternativas: criamos treinos de bike online e atividades físicas indoor, utilizamos o treino funcional para substituir os treinos de corrida e criamos desafios para a equipe, monitorando os resultados com o uso de apps e também fizemos ações beneficentes que uniram o grupo”.

A maioria dos entrevistados (81%) responderamm que mantiveram total ou parcialmente a rotina de treinos e alimentação. O que indica que essas pessoas não abandonaram as práticas esportivas e de saúde apesar da fase de isolamento social.

Daniel, do Ticket Agora, nos contou como foi um processo construído no dia a dia:
“Não foi uma ficha que caiu de uma hora para a outra. Sempre mantivemos uma dinâmica e um discurso de esperança. Vivemos um dia após o outro, sobrevivendo. A ideia era se manter no jogo”.

As corridas virtuais e os eventos protocolo

As corridas virtuais surgiram como um modelo possível para competição durante o isolamento social e os eventos protocolos como uma esperança para o retorno mais próximo da “normalidade”. Para nossos três entrevistados, as corridas virtuais devem continuar, porém representando um cenário menor em comparação aos eventos presenciais.

“Achamos um nicho de mercado muito menor que os presenciais, mas que vai continuar a existir sim. Os eventos virtuais representaram 20% das vendas de um mês ‘normal’ antes da pandemia, porém achamos que não vai chegar a isso quando os eventos presenciais voltarem. Estimo que os eventos virtuais vão representar 10 a 15% do mercado, com gente nova. Ou seja, gente que de qualquer maneira não iria em um evento presencial”, informa Daniel.

Daniel também cita um possível mercado híbrido: “Acreditamos que existirão eventos híbridos misturando experiência presencial e virtual, por exemplo trazendo a experiência presencial para outras cidades”.

Para Ricardo, o protagonismo dos eventos virtuais é ainda menor: “Se tivermos um cenário 100% normalizado, a probabilidade dos eventos virtuais se manterem é muito menor do que o contrário. Quem faz atividade física prefere mil vezes uma prova ‘real’ do que uma virtual”.

Sobre a adesão aos eventos virtuais, apenas 31% dos entrevistados participaram de algum evento esportivo virtual durante a quarentena. Já sobre continuar participando deste tipo de evento, a opinião dos atletas reflete o pensamento dos entrevistados: apenas 33% informaram que têm interesse em participar de corridas virtuais em um cenário de eventos presenciais normalizado.

Com a necessidade de traçar um caminho para o retorno dos eventos esportivos presenciais, surge o cenário dos “Eventos Protocolo” ou “Eventos Teste”. Segundo Marcos, da Abraceo “As corridas protocolo surgiram da necessidade de retomar os eventos esportivos ainda no ano de 2020, junto com Paulo Carelli (presidente da Abraceo e atuante no mercado esportivo há 16 anos) tivemos a iniciativa de criar eventos totalmente pensados para atender as demandas de cada cidade de acordo com a evolução da pandemia. Porém, logo veio a ‘segunda onda’ da pandemia do Covid 19 e em respeito a vida e segurança, os eventos foram interrompidos”.

Ele continua: “A iniativa das corridas podem vir de empresas privadas ou diretamente pelo interesse da Abraceo e leva-se em consideração a situação atual do município onde se pretende realizar o evento. As restrições e protocolos a serem seguidos são de responsabilidade do município e de acordo com os órgãos competentes”.

A fim de contribuir com este processo, a Abraceo desenvolveu um protocolo apreciado pela Covisa que atualmente é a base para a realização de todas as corridas protocolo. Se faz necessário que os organizadores pensem em soluções seguras e que transmitam essas informações aos atletas.

“A exemplo, na Corrida Protocolo SP (26/08/2021) a distribuição de kits aconteceu numa loja parceira com horário marcado de acordo com o número final do CPF de cada inscrito, a fim de que a equipe pudesse manter o ambiente higienizado e com o fluxo recomendado de pessoas em circulação”.

“O protocolo das corridas evidencia a importância do acesso controlado ao local do evento, bem como a apresentação de testes negativos de covid de todos os envolvidos: organização, mídia, staffs e atletas, além da aferição de temperatura antes do início da prova. Estes participantes são monitorados durante 14 dias após o evento piloto para que sejam avaliados eventuais riscos de contaminação, de forma a garantir total sigilo e proteção à identidade dos participantes”, completa Marcos.

Possíveis soluções para um evento mais seguro

Logo no início da pandemia, nos preocupamos com nossos fotógrafos e desenvolvemos um protocolo sanitário onde evidenciamos a importância do cuidado antes, durante e depois de realizar suas atividades. Para ler, clique aqui

Outras soluções viáveis e plausíveis que o Fotop recomenda e que podem e contribuir para uma prova mais segura:

  • As inscrições dos eventos deverão ser apenas on-line, e se possível, dispor de um canal de atendimento onde o atleta que apresentar sintomas da doença depois da prova, possa entrar em contato com a organização;
  • O aquecimento deve ser feito em local arejado e mantendo a distância estabelecida para essa atividade;
  • Estipular as largadas das categorias em turnos e/ ou dias diferentes;
  • Não compartilhar garrafas, objetos pessoais, objetos de segurança e alimentação;
  • Fiscalização: É necessário que haja uma equipe de apoio responsável pela fiscalização do uso correto da máscara por parte dos atletas e, que possa se incubir de verificar se os protocolos estão sendo seguidos por todos;
  • Água e alimentação: É necessário que alimentos e bebidas estejam espaçados e dispostos de uma maneira que os atletas não precisem tocar/entrar em contato com os outros objetos além do seus;
  • Premiação: No momento da premiação, recomenda-se que os atletas permaneçam de máscara e tirem somente para o momento da foto. O ambiente deve contar com álcool em gel de fácil acesso aos atletas e os próprios atletas devem colocar suas medalhas, ou quando possível, a premiação deverá ser feita logo após o atleta cruzar a linha de chegada;
  • Mesmo que haja arquibancadas, enquanto não for permitido, deverão permanecer fechadas, sem público;
  • Quando houver áreas ou boxes das equipes, não deverá haver aglomeração, estando apenas os membros da equipe imprescindíveis.

É possível mensurar o estrago causado pela pandemia nos eventos esportivos?

A pandemia certamente trouxe resultados assoladores para o setor de eventos, em geral.

Para Daniel, do Ticket Agora: “Não dá para ter uma noção exata do estrago, são somente estimativas. Nós calculamos que mais ou menos 10 mil eventos não aconteceram no setor de esportes participativos. Isso significa que deixaram de participar e comprar inscrições cerca de 6 milhões de atletas e acreditamos que 40% dos organizadores não existem mais”.

Para Marcos, da Abraceo: “Financeiramente, os impactos devem seguir nos próximos 5 anos, incluindo investimento e planejamento e com o número de pessoas que infelizmente perderam seus empregos e/ou mudaram de profissão, isso também impacta diretamente na mão de obra qualificada e reflete em profissionais desatualizados”.

E o retorno normal das atividades?

Para Ricardo, da Race: “Acredito que seja orgânico. Ver os alunos começando a voltar foi positivo e trouxe uma energia renovada, já estávamos cômodos, não havia mais o que inventar”.

Marcos da Abraceo comenta emoção e expectativa do retorno: “Seja qual for a modalidade, a experiência é emocionante, do momento da largada até a chegada, encontrar seus amigos e familiares e compartilhar aqueles instantes é muito valioso, mas para que possamos normalizar, precisamos previamente passar por este período com mais restrições e com o avanço da vacinação, os protocolos devem entrar em declínio. A vacinação é extremamente necessária e a única maneira viável é atingirmos altos níveis em todas as idades e em todas as áreas geográficas para o retorno total de forma segura”.

Para Daniel, a vacinação também é a chave para um possível cenário normalizado: “Não acho que seja possível cravar uma data [para o retorno], mas os organizadores vão aproveitar as oportunidades para realizar seus eventos. Olhando para outros países, acredito que seja possível ‘uma vida normal’ quando 60 a 70% da população estiver com a segunda dose, a velocidade da vacinação também é uma variante importante para esta retomada”.

Sobre a perspectiva do atleta, ele completa: “Estamos com um volume de trabalho impressionante, muitos eventos abrindo inscrições, porém as vendas não estão caminhando na mesma proporção. Os atletas ainda têm medo de comprar e o evento não acontecer. Temos muitas inscrições ‘presas’ (de eventos que foram adiados) e precisam ser entregues.”

Quando questionados sobre o cancelamento ou adiamento de eventos, 61% dos entrevistados afirmaram que algum evento para o qual estavam inscritos foi cancelado ou adiado durante a pandemia.

Sobre os números de 2021, Daniel acredita que até o fim do ano devem chegar ao volume de 50 a 60% de participantes de antes da pandemia. Hoje, estão trabalhando com 30 a 40% do potencial total do mercado, o que quando comparado ao ano passado representa uma alta expressiva.

Para os atletas, o retorno dos eventos presenciais deu empate: O Fotop apresentou como hipótese um evento de grande porte (+ de 2000 atletas) no prazo de um mês, você participaria?

  • 40,5% dos entrevistados afirmam que se sentem confortáveis e iriam tranquilamente para um evento de grande porte daqui a um mês;
  • A mesma porcentagem afirmou que primeiro procuraria se informar se a organização do evento está seguindo todas as medidas sanitárias de segurança;
  • 11,9% afirmaram que ainda não se sentem confortáveis para participar deste tipo de evento e portanto não iriam;
  • Enquanto 7,1% afirmam que ainda não se sentem totalmente confortáveis, mas mesmo assim iriam.

Como o Fotop lidou com a quarentena

Vínhamos de um ano de faturamento recorde, com outras perspectivas para o ano de 2020, mas não aconteceu desta forma. Infelizmente, o Fotop passou por momentos turbulentos durante a pandemia com demissões e redução de salários e a nossa maior preocupação sempre foi os fotógrafos e suas famílias, pois sabemos que muitos dependiam financeiramente das oportunidades que nós geramos.

Lançamos então uma campanha de solidariedade aos fotógrafos, talvez a ação mais relevante de toda a pandemia para contribuir e manter os fotógrafos recebendo por seus registros. A campanha consistia em dispor de fotos de eventos passados em preços variados e livres, a partir de R$3,00 o consumidor tinha o poder decisão de quanto gostaria e poderia pagar por aquele registro e contribuir com o fotógrafo.

Visto que os eventos esportivos estavam parados, desenvolvemos novos produtos, o Fotop Serviços atende o segmento B2B, com profissionais qualificados e uma equipe especializada sempre à disposição para entregar as melhores imagens, o Fotop Serviços se destacou e em pouco mais de um ano já foram mais de 4 mil jobs realizados e mais de 200 fotógrafos já realizaram jobs deste segmento e, hoje somos responsáveis pelas fotos das maiores imobiliárias do país.

Neste tempo, nos dedicamos a “organizar a casa” realizando melhorias em nossos produtos e serviços, sempre visando que você tenha a melhor experiência ao utilizar os nossos produtos. Nos sentimentos mais fortes, prontos para enfrentar os novos desafios que o futuro nos reserva, sem pandemia e com oportunidades de crescimento pessoal e profissional.

Neste tempo, nos dedicamos a “organizar a casa” realizando melhorias em nossos produtos e serviços, sempre visando que você tenha a melhor experiência ao utilizar os nossos produtos. Nos sentimentos mais fortes, prontos para enfrentar os novos desafios que o futuro nos reserva, sem pandemia e com oportunidades de crescimento pessoal e profissional.

É importante reconhecer: toda fase ruim gera um aprendizado

Perguntamos aos nossos convidados o que esse período trouxe de lição e aprendizado:
Para Daniel, do Ticket Agora: “Fica como aprendizado um conceito que eu chamo de adaptação intencional. Que significa ver as coisas chegarem e sermos rápidos para transformar o que a gente faz e nosso negócio, ao invés de esperar os problemas passarem”. Ele continua: “A lição nesse caso é aceitar mais rápido e se reinventar mais rápido em todos os sentidos que forem possíveis”.

Para Ricardo, da Race Consultoria Esportiva, as mudanças na vida pessoal o levaram também a mudar seu pensamento sobre o seu negócio: “Pela dor, pelo menos uma coisa em cada um mudou, e aprendemos. A mudança veio internamente e interfere no meu ponto de vista nos negócios. Hoje dou treino com mais vontade do que antes da pandemia. Eu não tirei um real dos funcionários e isso mudou a relação de união da equipe”.

Para Marcos da Abraceo, alguns hábitos que adquirimos durante a pandemia vieram para ficar, por exemplo com relação à organização de eventos “Todos aprendemos muito sobre saúde, conscientização e respeito. Mais do que sobre regras e protocolos, aprendemos mais sobre respeito ao próximo, conscientização em não espalhar doenças. Por parte da organização de um evento, aprendemos os protocolos de manuseio, transporte e exposição, por exemplo dos alimentos e água, isso nos faz repensar os procedimentos que costumávamos realizar antes da pandemia”.

Apesar da maioria dos atletas que participaram da entrevista terem informado já ter o hábito da prática esportiva há 2 anos ou mais, 19% dos entrevistados afirmaram que começaram a praticar atividades físicas durante o período da pandemia. Estamos prontos para ver o que para nós reflete em carinhas novas pelos eventos que vêm por aí.

Aqui no Fotop, tiramos grandes lições deste momento. A pandemia uniu a equipe interna e a comunidade de fotógrafos, aprendemos a nos reinventar e nos sentimos mais preparados para qualquer desafio.

O que já podemos te contar

O nosso forninho de eventos está a todo vapor! Já temos a confirmação de diversas provas de variadas modalidades e segmentos ainda este ano.

O Fotop já tem eventos confirmados até o final do ano, entre eventos maiores e menores, parcerias oficiais e eventos sugeridos pelos nossos parceiros por todo o Brasil.

Veja algumas das grandes provas que já sabemos que vão rolar até o final de 2021: Maratona do Rio, L’Étape Rio de Janeiro, Volta da Pampulha, São Silvestre, XTerra (Paraty, Itabira, Niterói), Uphill Serra dos Órgãos, Volta CWB 10k , Ultramaratona Maresias Bertioga, Rei e Rainha do Mar, Brasil Ride, entre muitas outras!

Pelas estimativas do Fotop, os eventos que vão acontecer em todo o Brasil podem gerar mais de 10 mil vagas para fotógrafos na plataforma até o final do ano e acreditamos que mais de 100 mil atletas serão fotografados pelas lentes de nossos fotógrafos parceiros.

Vai participar? Para se inscrever, clique aqui

Fotógrafos, fiquem espertos em seu painel de eventos disponíveis para não ficar de fora!

É hora de relaxar?

Definitivamente, não! Apesar das perspectivas serem boas e a vacinação estar acontecendo de forma rápida, não é o momento de relaxar. Continue seguindo as medidas de higienização, utilize sua máscara e complete o seu ciclo de vacinação.

Para você organizador, o Fotop conta com mais de 15 mil fotógrafos em todo o país e prontos para atender o seu evento, quer saber como? Entre em contato conosco pelo parceiros@fotop.com.br

Você é fotógrafo e quer registrar momentos históricos na vida de atletas? Cadastre-se agora mesmo clique aqui

Créditos da Imagen utilizada neste artigo:

Este artigo foi desenvolvido por Stefani Stefanovich,Customer Success e Heloiza Carvalho, Analista de marketing do Fotop.

Fotop

Fotop

Plataforma que ajuda o fotógrafo a vender suas fotos, possibilitando que ele viva de seus clicks.

Read More